Ser humana e mulher é o destino de todas elas

por: Eleonora Rosset – Uma Psicanalista Vai ao Cinema – 6/6/2013

Ela é uma sombra no chão. Filma imagens fugidias. Nelas, procura traduzir uma busca da verdade sobre si mesma.

“- Sonhei com você nessa noite, Elena…”, assim começa seu documentário a diretora Petra Costa, 29 anos.

É um diálogo com a irmã Elena, que vive em sua memória, indagando o porquê daquilo que aconteceu.

Parece que o filme, feito de pedaços de filminhos caseiros, gravações da voz da própria Elena, seus diários e vídeos, depoimentos da mãe das duas e associações que a diretora faz a partir de lembranças afetivas da irmã, vai conseguir salvá-la do mesmo destino trágico.

Colocando em imagens essa história, ela resgata o que de belo e amoroso existia em Elena, que tinha dito para a mãe que tinha um vazio enorme no peito. E que queria morrer.

Então, como são preciosos para Petra, 13 anos mais nova que Elena, esses momentos resgatados nos arquivos da família, onde as duas dançam. Ela, pequena, no colo da irmã. Ou então quando dorme a seu lado, cabeça com cabeça, ela um bebê de chupeta e Elena mocinha de 13 anos.

A mãe é uma referência mútua, a “nossa mãe”, como diz Petra, que narra o filme em “off”. Também ela queria ser atriz, foi militante nos anos da ditadura e separou-se do pai das duas quando Petra tinha 15 anos.

Elena foi para Nova York em 1990, com 20 anos. Queria trabalhar no cinema. Era excessivamente exigente consigo mesma e parece que, apesar de bela e de gostar de dançar, traz nela algo que Petra pressente, que também vê na mãe e se assusta em pensar que não vai saber lidar com aquilo em si mesma.

“- Pouco a pouco você começa a se distanciar”, diz ela para a irmã que não está mais presente.

A bela Elena arrasta consigo aquele vazio que disse sentir no peito e se cobra muito:

“- Se não consigo fazer arte, melhor morrer”, ouve dela a mãe.

Os sinais de fragilidade na existência de Elena vão se compondo numa depressão que Petra não quer explicar, nem viver.

Perder quem se ama é insuportável. Frente a um suicídio, o trabalho de luto longo e doloroso, a culpa que sempre existe contra toda e qualquer evidência em contrário, mas principalmente o medo de ser levada a um mesmo destino, são os temas universais da narrativa de Petra que faz com que uma identificação com ela seja obrigatória.

Parece que a libertação torna-se possível quando Petra consegue inserir-se numa procissão de mulheres levadas e lavadas por uma água transparente, de olhos fechados, pacificadas. Ser humana e mulher é o destino de todas elas.

Petra Costa faz desse diálogo com a irmã morta uma obra comovente e vital, com poderes curativos. Arte serve também para isso.

Índice

(345 artigos)