ELENA evidencia o passar e o ficar das coisas

Por: Jéssica Amorim – site Petcom Ufam – 9/8/2013

Assisti a este filme em sua estreia, no mês de maio. Tinha ido a São Paulo para visitar meu pai e conhecer a cidade, e, por sorte, bateu com a data de lançamento do longa-metragem de Petra Costa. Fiquei realmente satisfeita com a oportunidade, principalmente porque saberia que demoraria muito para chegar a Manaus devido ao seu caráter muito independente (tópico de discussão para outro momento).

Naquele momento não pude, de forma alguma, escrever sobre o que tinha visto, e ainda agora me parece um atrevimento tentar, mas mesmo assim quero indicar Elena.

O longa é um documentário com um formato não convencional. Ao invés de ser constituído apenas de imagens de apoio e depoimentos de entrevistados, Elena consiste em aglomerado de pensamentos e memórias.

Petra Costa é a irmã mais nova de Elena, e decidiu produzir o filme para poder superar e se consolar de lembranças. Decidida a reencontrar a silhueta da irmã a partir de seu passado, Petra utiliza várias imagens que foram gravadas em sua infância, além de vários depoimentos de sua mãe e de pessoas que conheceram Elena. O filme corre e fica o entalo na garganta, e a identificação (acredito que principalmente para as mulheres) é difícil de evitar.

A fotografia colabora com a ideia de memória. Lembrando sempre um sonho ou imagens distorcidas pela água, Elena evidencia o passar e o ficar das coisas. As três personagens centrais dão à história um caráter quase universal, ainda que as situações sejam bem particulares. A dor, como o próprio filme diz, se torna uma memória inconsolável. Afinal, ao fim do filme, percebe-se que é mesmo difícil esquecer Elena. Assisti ao filme uma segunda vez porque não a esqueci e quis revê-la. Dançando com a lua, como ela mesma afirma. Sufocada pela vida.

Queria dizer mais coisas, mas as minhas impressões se misturaram as memórias de Petra e Elena no emaranhado ainda mais difícil de engolir, e não imagino como poderia alcançar este filme com palavras.

Índice

(345 artigos)