Sem espaço para lamento

Déa Prado escreveu no blog Sem espaço para lamento suas reflexões sobre o filme – 19/5/2013

image

“Se as pessoas somente reflexos meus próprios são, o que vejo?” [Fragmento dos diários de Elena]

O que eu vejo?

Ontem assisti Elena, o documentário da diretora e irmã da por assim dizer protagonista do filme Petra Costa.

Como tantos outros que o assistiram e comentaram a respeito, com muito mais embaçamento que eu, saí do cinema mexida, comovida, em dúvida, sufocada, submergida em tantos temas, meus, de Elena, de Petra, da sua e da minha mãe, do mundo e de sua contante ilusão.

Tentando entender esses vários temas e tantos outros, saí triste e feliz de poder ser tocada.

De me permitir ser tocada pela dor e pelo amor.

Claro que tem os temas que tocam a todos que assistem, a perda, as escolhas que fazemos, a nossa solidão mesmo que estejamos cercados de amor e todas as condições físicas e emocionais, mas mesmo esses temas universais, são pessoais, por que, são embalados por nossas vivências, nossa interpretação.

Uma cena em especial, a cena quase final da mãe e da Petra e depois de várias mulheres na água, fizeram emergir em mim uma vivência esquecida, do meu coma, em que tive que me segurar para não soluçar!!!

É como a Petra diz numas das cenas….que as lembranças vão sendo esquecidas…até que….

Uma frase, um sorriso, um cheiro, uma cena no cinema…

Na verdade você não sabe onde se encontra o perigo.

E o perigo para mim estava ontem no cinema, naquela tema grandona, nessa cena e vi tudo voltar.

A interpretação da Petra com certeza é bem diferente da minha, mas de alguma forma estão conectadas.

Nem ela (?) ou eu podemos explicar, está dentro de nós, cravado em nossa alma.

Foi para mim uma cartasse, saber que mesmo talvez diferente, alguém tenha colocado ali, naquela tela grande, numa cena linda fotograficamente, sensorial, o lugar em que REALMENTE PARA MIM eu estive.

E volto lá, com as mesmas sensações e mesmo triste eu saboreio o momento de conexão e me deixo levar pela água, afogar meu pranto, e apesar do desespero deixar fluir, calmamente no tempo certo.

Eu na água, com várias almas, estamos vivos ou mortos, estamos presos lá ou podemos ir para a margem, é frio, solitário, calmo, assustador, quem são essas almas, eu as conheço, estou em paz, estou sendo preparada, há luz, ou escuridão, sou eu ou meus vários eus, sou protegida ou ameaçada, estou nascendo ou voltando…quem decide isso? E quando?

Não vou falar do filme, belíssimo que vale ser visto e vivenciado por cada pessoa, com sua interpretação própria, baseada em suas vivencias, é para ser visto por quem tem coração como disse a Júlia Lemmertz.

Muitas questões são levantadas:

Qual o limite da dor?

Por que alguém sai da dor mais forte e outros não conseguem?

A culpa de quem fica – A cena que a mãe diz: Ela chorou de soluçar e eu não fui lá?

Quem será a nossa lembrança inconsolável? (Até que ponto alguém fica para sempre em nosso coração)

Quais serão as lembranças que carregarão de nós? Do que fazemos?

Quem são todas essas pessoas que me rodeiam, essa ilusão, sou iludida, vivendo uma especie de Matrix, ou consigo colocar a cabeça para fora?

Eu me aceito como sou? Eu aceito os nãos da vida?

Sou forte ou fraca?

Me entrego ou luto?

O que é a felicidade de verdade?

Como fazemos para tê-la e mantê-la dentro de nós?

Descobrir quem somos, o que queremos e bancarmos para ser! (Eu sou assim diz Elena).

Aprender a dançar com a lua, com nossos sonhos, com nosso medos, com a nossa vida.

Respeitar (e sofrer com isso) e entender que cada ser está em um grau de evolução.

Estar atento a dor alheia, oferecer colo, ouvido, compartilhar, ter compaixão e entender que nada disso talvez seja suficiente.

Se resignar com a solidão, com as dores, com a perda.

Saber que amar muito é deixar ir, é precisar ir.

Elena embora linda, impactante, corajosa, era triste, como sua mãe, como a minha, como você e eu.

Eu também me senti assim a vida toda, tem uma melancolia aqui dentro do meu peito, (discutida em exaustão na terapia), que se intensificou ou diluiu após a minha perda pessoal inconsolável?

Ainda não sei, acho que ainda sou emoção, dessas que transbordam, sou dramática, mas acho que por conta da fé que sempre existiu em mim, me faço forte, renasço das cinzas, da cara a cara com a morte, da fraqueza física, do desconstituir uma vida toda, do desmontar de quem eu acreditava que eu era, do desmontar do meu corpo, do remontar a minha alma, da visão forte que eu vou moldando para ficar fraca das perdas que visualizo todos dias, perdas físicas, que transformam em dores emocionais.

image

Eu sou como a Petra, tenho que questionar, entender, sangrar, esmiuçar, discutir, partir, caber dentro do peito, fazer caber, demore o tempo que demorar.

Talvez se não tivesse essa fé, e acreditasse com todas as forças que da luta não posso me retirar, por que, isso não existe (não existe folga ou descanso na eternidade) por acreditar nisso tudo foi e é que não me entrego como fez Elena. (ao meu ver)

Obvio que não conheço Elena e nunca saberei dizer se ela a tinha (a fé) ou se isso pudesse salvá-la, só digo sobre mim, e não tenho dúvida disso.

A fé, confiar (tema da palestra hoje no centro), me faz seguir adiante, mesmo que carregue essa dor tão grande, mesmo que me sinta tão só como Elena, mesmo que os medos quase não me deixem mais dançar.

Rezo por Elena, para que ela continue sua jornada, aqui, lá, e seja forte para cumprir seu destino.

Obrigada Mone por me acompanhar ao invés de ir ver o Massacre da Serra Elétrica e me aguentar desabar e desabafar!!

Índice

(345 artigos)