ELENA: Seu reflexo

Por Jamile – Blog A vida entre linhas – 6/12/2014

6956384982_0a44e3a3a2_z

Éramos três.

Éramos mais.

Éramos todas, mas éramos tortas.

Éramos, sem mais nem menos.

Por isso, quando me batem à porta perguntando se atravessamos eras, conto da janela, de como ela não tem trancas e é desnuda de formalidades. Também conto do pão de queijo e do café preto. Aproveito, puxo uma cadeira, pego o jornal e conto dos escândalos do metrô e da Petrobrás, dos filmes em cartaz… mas você já não pode ouvir… não conseguiu ver nada disso e, embora as fantasias façam crer que você e o seu misto de esplendor e simplicidade pudessem prever isso tudo, ou quem sabe criar coisa muito melhor, não existe agora. Não tem instante. Isso dói.

Mas éramos três. Não a deixaríamos na estante: eis o veredicto.

O asfalto queimava os pés que dançavam, as luzes ardiam os olhos, que então fechavam, mas as mãos continuavam tateando, procuravam o contorno do seu rosto. Os lábios ainda queriam o seu gosto, o suor das bochechas de dias cansados e os diálogos…

Não sou pedra.

E o coração? Pesava 300 gramas e carregou o mundo inteiro. Me pôs nos ombros, me deu carinho… depois me pediu pra descer e ir brincar. Disse que depois me veria em vários outros sonhos.

Acontece que éramos três e havia a promessa de nunca mais olhar no espelho. Assim, os contornos e traços antigos foram retorcidos, distorcidos e remoldados. Nos deram rugas e olhos fundos “como os de passarinho”, alguém mais tarde diria, e nós nos encarregamos de nos afogar. Em cachaça e águas límpidas. Em palcos, arenas, livros e poesia.

Os pés, ainda assim, dançavam.

Te amo, Elena. Sinto saudade todo dia.

Com amor, como sempre…

Índice

(345 artigos)